segunda-feira, 29 de maio de 2017

Radialistas de São Paulo realizam seu 10º Congresso Estadual

Cartaz de divulgação do 10º Congresso Estadual dos Radialistas no estado de São Paulo


Por Ronaldo Werneck

Nos dias 21, 22 e 23 de julho deste ano o Sindicato dos Trabalhadores em Empresas de Rádio e TV no estado de São Paulo realiza mais um congresso estadual da categoria. Nele, apenas os trabalhadores sócios da entidade de classe poderão ter voto, mas o evento está aberto para demais interessados como profissionais da área e estudantes de comunicação, que poderão participar na condição de observadores, com direito a voz e que devem solicitar sua inscrição através do e-mail: diretoria@radialistasp.org.br.

Em sua 10ª edição, o congresso da categoria irá disponibilizar estrutura para os trabalhadores sindicalizados discutir temas que envolvem o universo da classe trabalhadora. Os temas são; "Análise de Conjuntura", "Previdência Social e o Trabalhador do Futuro", "Quais os impactos para a classe trabalhadora com as mudanças da CLT?" e "Qual o papel da Mídia?". 

Os trabalhadores sindicalizados interessados em participar do congresso deverão participar de assembleia estadual, a ser realizada no dia 10 de junho - sábado - de 2017, às 9h da manhã, na sede da entidade, que fica no bairro do Bixiga (Bela Vista), na cidade São Paulo. Nessa oportunidade os interessados poderão se elegerem delegados ao 10º congresso estadual da categoria.






terça-feira, 23 de maio de 2017

Em defesa da comunicação pública, contra censura na EBC, contra as reformas e pelas Diretas Já!



Empresa Brasileira de Comunicação - EBC - sofre censura do governo Temer



Após a abertura de inquérito no STF para investigar o presidente da República, Michel Temer, por envolvimento em esquemas de corrupção, as entidades representativas dos jornalistas e radialistas da Empresa Brasil de Comunicação denunciam a censura e o desmonte dos veículos públicos de comunicação pelo governo federal e pela diretoria da empresa comandada por Laerte Rimoli.

O ataque frontal à Lei que estabeleceu a comunicação pública federal no país pelo governo Temer, acelerou a imposição de uma linha editorial governista dentro da EBC. Matérias são diariamente modificadas e programas são feitos sob encomenda dentro da Agência Brasil, TV Brasil, Portal EBC, Rádio Nacional e MEC para tornarem os conteúdos favoráveis ao governo federal. 

Os jornalistas da empresa são expostos a uma linha editorial claramente governista, sem espaço para o contraditório, e com exclusão já nas pautas de temas que desagradam o Planalto. Há dezenas de casos de censura explícita, com membros da diretoria excluindo posições críticas ao governo minutos antes da publicação de reportagens.

A exemplo segue os sucessívos atos de censura na Agência Brasil, como a orientação de não citar em nenhum momento o termo "Fora Temer" na cobertura de eventos ou fatos em oposição ao governo. Ou a transmissão dos programas do governo federal em defesa da reforma da previdência no meio da programação pública da Rádio Nacional.

O governo Temer impôs o fim de toda estrutura de controle social da EBC, com a extinção do Conselho Curador, que tinha o papel de zelar pelos princípios da comunicação pública previsto em lei, além do fim do mandato do presidente da empresa, que pode ser demitido a qualquer momento caso desagrade o governo federal. O Conselho poderia ser um freio ao desrespeito sistemático da legislação pela direção da EBC. Ainda não cumprem sequer a nova Lei das Estatais na EBC, que estabeleceu critérios mais rígidos para nomeação de sua diretoria.

Preocupa os trabalhadores também o movimento iniciado pelo governo de corte de mais de 40% das verbas de custeio e investimento o que atinge em cheio a possibilidade de fazer uma comunicação relevante para a sociedade brasileira. Um exemplo disso é a Rádio Nacional da Amazônia, que está fora do ar há mais de um mês por problemas na transmissão de seu sinal. Isso se agrava na tentativa da atual direção da EBC em unificar a prestação de serviço ao governo federal, como a Voz do Brasil e a TV NBR, aos veículos públicos, que têm finalidades e responsabilidades completamente diferentes, descrita em lei.

Outra estratégia é o enxugamento da empresa com cortes de funcionários, via uma Processo de Desligamento Voluntário, sem a contrapartida de um novo concurso público para repor esta mão de obra especializada, provocando um desmonte ainda maior da empresa pública.

Ao mesmo tempo, a diretoria ampliou os valores pagos aos cargos comissionados, redesenhando a empresa com a criação de gerentes e coordenadores que sequer tem empregados subordinados. Ainda tem utilizado assessores para substituir profissionais da atividade fim da empresa, além de proporem uma imoral proposta de reajuste de mais de 30% dos salários da diretoria, aprovada em um primeiro momento, e negada após o constrangimento público de seus diretores. As propostas de cortes nos valores dos salários dos comissionados e do número de chefias feito pelos empregados segue totalmente ignorado pela direção da empresa.

Neste contexto de crise política generalizada no país, em que Governo Temer não tem legitimidade para continuar no comando da nação, os trabalhadores da EBC se rebelam contra os ataques sistemáticos à comunicação pública. A própria direção da EBC, umbilicalmente ligada aos políticos imersos a crise – Aécio Neves, Eduardo Cunha e Michel Temer – também não tem legitimidade para gerir a empresa pública.

Defendemos a democracia brasileira, que só será plena com uma regulação para uma comunicação democrática e com um sistema público de comunicação forte e independente do governo federal e do mercado. Para isso, exigimos o repasse imediato do dinheiro já acumulado da Contribuição ao Fomento da Comunicação Pública, que soma mais de 1 bilhão de reais eque deve ser repassado como manda a lei. Precisamos de uma diretoria autônoma ao governo, valorizando os empregados da EBC compromissados com a comunicação pública.

O povo precisa ser ouvido para a resolução da grave crise política e para isso, só com uma nova eleição direta para presidente.


Diretas Já! Salve a EBC! Fazemos comunicação pública e não governamental!


Sindicatos dos Jornalistas DF, RJ e SP

Sindicatos dos Radialistas DF, RJ e SP

Comissão de Empregados da EBC                      

Rádio Interativa FM de Aguaí mantém salários atrasados


Prédio da emissora Interativa FM na cidade de Aguaí - SP


Por Edson Amaral e Ronaldo Werneck


A emissora de Aguaí, interior paulista, que pertence a Ricardo Malheiros Asprino, Marília Malheiros Asprino Joaquini e a apresentadora de TV Sonia Maria de Souza Abrão, está em crise. Isto é o que eles, os proprietários alegam. 

Os trabalhadores da emissora, que são poucos, cinco radialistas, estão sofrendo com a falta de pagamento dos salários que vem sendo pagos de forma parcelada. Só para se ter uma ideia, o pagamento do mês de abril, por exemplo, ainda não foi pago integralmente e o vale refeição, direito conquistado pelos radialistas desde maio de 2013, não vem sendo pago desde janeiro de 2016.

Os trabalhadores só não estão passando fome porque amigos e parentes tem ajudado. Quanto as outras despesas como aluguel, conta de energia, os amigos tem feito “vaquinha” para evitar que não sejam despejados de suas moradias. Como os trabalhadores ainda não se convenceram que é necessário fazer a paralisação, para ter seus direitos respeitados, o Sindicato dos Radialistas tem conversado com os responsáveis pela emissora para que acertem os salários atrasados e os demais direitos do acordo coletivo o mais rápido possível. Independente das negociações o Sindicato vai entrar com ação de cumprimento na Justiça do Trabalho.

Só a força da organização dos trabalhadores, juntos com seu sindicato é que garantem seus direitos, respeito e o cumprimento das leis trabalhistas.

quarta-feira, 17 de maio de 2017

Radialistas de São Paulo tem reajuste salarial no mês de maio




Por Ronaldo Werneck

O índice de reajuste do INPC deve ser aplicado sobre o salário de maio dos trabalhadores de Rádio, TV, produtoras de áudio e vídeo no estado de São Paulo. É o que determina a cláusula quinquagésima primeira, o item um da Convenção Coletiva de Trabalho da categoria - CCT

Assim descreve a cláusula 51ª:   "... Com exceção das cláusulas quadragésima oitava e quadragésima nona, todas as demais de natureza econômica serão reajustadas, pelo índice integral da inflação medida pelo INPC do período de maio de 2016 a abril de 2017. Para efeito da aplicação do percentual será utilizado o salário devido em setembro de 2.016. ..."

O índice de reajuste a ser aplicado nos salários e demais cláusulas econômicas da CCT seguem discriminadas, em detalhes, no link abaixo;


Reajuste Salarial 2017/2018







sexta-feira, 12 de maio de 2017

Radialistas de São Paulo em Campanha de Sindicalização

A sindicalização na categoria é permanente, a campanha promovida é para ampliar o número de sócios e reforçar o contato com os trabalhadores dentro das empresas


Por Ronaldo Werneck


A diretoria do Sindicato dos Radialistas no estado de São Paulo iniciou a Campanha de Sindicalização na categoria visando ampliar o número de sócios, bem como atualizar a situação cadastral dos sócios da entidade.

Em estandes com material de divulgação e brindes, os diretores da entidade comparecem nas emissoras, previamente agendados, para realização da campanha de sindicalização. Nessa oportunidade, além dos trabalhadores ficarem sócios ou atualizarem seu cadastro, é possível tirar dúvidas em relação a processos coletivos, movidos pelo departamento jurídico da entidade, sobre o índice de inflação, que deve ser aplicado sobre os salários de maio, além de obter respostas à duvidas sobre a convenção coletiva de trabalho da categoria.

Independente de governos e patrões
Somente com independência financeira que os sindicatos podem conseguir avançar nas lutas de suas categorias. Os recursos obtidos com a arrecadação das contribuições, dos sócios da entidade, são destinadas a manutenção da estrutura do sindicato e na organização, das diversas lutas da categoria. Boletins informativos, assembleias, encontros, congressos, processos na Justiça, além de diversas campanhas promoção como a Campanha Salarial, Campanha de Sindicalização, são exemplos de organização de nossa classe. A entidade mantém um quadro de funcionários, que atendem as necessidades de atendimento da categoria. Possui duas viaturas, sendo uma com som de divulgação, uma colônia de férias, que fica em Itanhaém e diversas subsedes no interior do estado. Sem a contribuição dos trabalhadores, o sindicato ficaria extremamente fragilizado em nossa organização e a "mercê" dos interesses dos patrões.

História
A campanha de sindicalização do Sindicato dos Radialistas é histórica. Todos os anos ela é implementada, sendo que no final da década passada, o Sindicato conseguiu incorporar junto as cláusulas da convenção coletiva da categoria. Há um baixo índice de sindicalização dos trabalhadores no Brasil. Além da falta de consciência, da importância de estar sustentando e participando de sua entidade de classe, a alta rotatividade em alguns setores e a não comunicação de mudança de empresa, leva os trabalhadores a esta realidade, de estarem fora de seu sindicato. Estima-se que são próximo de 13 mil trabalhadores da categoria e esse número tende a reduzir, ainda mais, devido aos ataques que os patrões tem implementado através do governo federal, que diga-se de passagem é ilegítimo.

A sindicalização também pode ser feita pelo site do Sindicato, bastando para isso preencher um cadastro. A contribuição é de 1,5% do salário base, com desconto feito no holerite.

Fique por dentro da campanha em sua emissora e compareça nos locais para se sindicalizar.





Calendário de Sindicalização na Capital e zona metropolitana de São Paulo no mês de Maio;


Dia 12, sexta feira:

Rádio e TV BANDEIRANTES - São Paulo - SP 


Dia 15, segunda feira: 

-  TV DIÁRIO DE MOGI - Mogi das Cruzes - SP

FUND INT COM – FIC/RIT -  São Paulo - SP

EBC -  São Paulo - SP


Dia 16, terça feira:


 - REDE GOSPEL - São Paulo - SP


Dia 17, quarta feira:

-  RÁDIO NOVO MUNDO  CAPITAL -São Paulo - SP

-  TV Igreja Mundial do Poder de Deus - São Paulo - SP

- RÁDIO METROPOLITANA PAULISTA - MOGI das CRUZES - SP

RÁDIO TRANSCONTINENTAL -  Mogi das Cruzes - SP


Dia 18, quinta feira; 

- RÁDIO IMPRENSA - São Paulo - SP

RÁDIO TERRA AM - São Paulo - SP

RÁDIO IGUATEMI - São Paulo - SP

TV CIDADE - São Paulo - SP

- ENERGIA FM - São Paulo - SP

TVT - São Bernardo do Campo - SP 

- LBV - São Paulo - SP 

IURD MISSIONÁRIOS 139 - Santo Amaro - SP


Dia 19, sexta feira:

- IURD (Brás) - São Paulo - SP


Dia 22 e 23 segunda e Terça feira:

- Rede Record - São Paulo - SP


Dia 12, segunda feira

- ESPN - São Paulo - SP









sexta-feira, 5 de maio de 2017

Sindicato ganha mais uma da Record e emissora é obrigada a pagar R$ 5 milhões por descumprimento de Lei trabalhista

Na Justiça, emissora Paulista sofre mais uma derrota



Por Ronaldo Werneck


Em acórdão assinado pelo relator Ricardo Verta Luduvice do Tribunal Regional do Trabalho -TRT, de São Paulo, nega recurso proveniente da emissora após recorrer de sentença na qual havia perdido em primeira instância. O Tribunal manteve decisão de multa de 5 milhões de reais à emissora por insistir em terceirizar parte de seu quadro de funcionários.

A decisão judicial reconhece o dolo causado aos trabalhadores pela emissora paulista por descumprimento o Art. 9 da Consolidação das Leis Trabalhistas - CLT, que considera nulos, qualquer iniciativa com objetivo de "desvirtuar, impedir ou fraudar a aplicação dos preceitos contidos..." na CLT.  

Reiteradas vezes o Sindicato dos Radialistas informou, afirmou e combateu essa prática de algumas empresas, que querem fugir de suas obrigações trabalhistas, ao terceirizar sua atividade fim. 

Apesar da luta ter sido conquistada no campo jurídico, é fato que a resposta sempre é demorada e, por vezes, sem efeito, se não houver uma postura contundente dos trabalhadores que, no caso, foi tomada através do sindicato da categoria.

A reação dos trabalhadores deve ser imediata, quando atacado em seus direitos, sempre de forma organizada e com o sindicato de sua categoria. 

Em trânsito no TST

O Sindicato dos Radialistas, através de denúncias feitas ao Ministério Público do Trabalho -MPT, constatou irregularidades e o mesmo move ação civil pública, que subiu para o Tribunal Superior do Trabalho - TST, por conta da empresa não fazer os Comunicados de Acidentes de Trabalho - CAT, situação esta que não caracteriza as doenças ocupacionais ocorridas na emissora, na qual a Record tenta se eximir de responsabilidades. Há diversos processos de reintegração ao trabalho, de trabalhadores demitidos e que tem sido conquistados através de ações do departamento jurídico da entidade.

A Record tem se caracterizado, ao longo dos últimos anos, em usar de mecanismos que tem prejudicado seus trabalhadores no que cerne a legislação trabalhista e somente a consciência e organização pode mudar esse quadro.




terça-feira, 2 de maio de 2017

Em meio a luta, Radialistas se fazem presentes na Greve Geral do dia 28 de abril e no 1º de Maio

Radialistas e jornalistas na porta da EBC que esteve em Greve no dia 28 de abril


Por Ronaldo Werneck

Tanto no dia 28 de abril como no 1º de Maio, os Radialistas estiveram presentes em diversos atos contra as Terceirizações, Reforma da Previdência e Reforma Trabalhista. Os atos de protestos políticos chamados pelas centrais sindicais, partidos de oposição ao governo ilegítimo e os movimentos sociais se espalharam pelo país.

Em São Paulo, o Sindicato dos Radialistas esteve junto com os trabalhadores da EBC - TV Brasil -, que aderiram a Greve Geral do dia 28 de abril. A diretoria também se fez presente no ato da Avenida Paulista. 

No dia 1º de Maio, os dirigentes sindicais do Sindicato dos Radialistas somaram força com os trabalhadores na cidade de Campinas, no Largo do Rosário. Também participaram do ato na Praça da Sé, em São Paulo.

Com ataques desferidos pelos patrões, através do governo ilegítimo de Michel Temer, a classe dos trabalhadores enfrenta o pior ataque aos seus direitos, duramente conquistados ao longo do século passado. Somente com força, união e organização será possível barrar esses ataques. Num regime de exceção, na qual o país passa, a fragilidade das instituições estão colocando a prova sua existência, pois garantias mínimas de um Estado de direito não estão sendo respeitadas. 

São os trabalhadores que devem se posicionar, quando a voracidade dos patrões, em tentar derrubar os direitos dos trabalhadores. A consciência deles, que os fazem movimentar. E o Sindicato dos Radialistas caminha junto, para organizar essa resistência.

Abaixo fotos das atividades em que o Sindicato dos Radialistas esteve presente;

Greve Geral - EBC - TV Brasil


Ato  Greve Geral, na Paulista no dia 28 de abril 


 Ato 1º de Maio, no Largo do Rosário, em Campinas


Ato Greve Geral, no dia 28 de abril em Sumaré, interior de SP


Ato 1º Maio na Avenida Paulista, em São Paulo