terça-feira, 20 de dezembro de 2016

Em audiência de conciliação, patrões de Rádio e TV não chegam a acordo e, sem mobilização da categoria, Justiça propõe reajuste de 7%

Justiça propôs 7% de reajuste e 8,45% para os pisos salariais da categoria dos Radialistas

Por Ronaldo Werneck

Nesta segunda feira (19), no Tribunal Regional do Trabalho em São Paulo, o Sindicato dos patrões de Rádio e TV e o Sindicato dos Radialistas se reuniram numa audiência de conciliação, onde através da intermediação da Justiça discutiram os termos para tentar entrar num acordo sobre a convenção coletiva de trabalho, que está sem reajuste deste a última data base da categoria, que é maio deste ano.

Não houve acordo. Os patrões de rádio e TV continuam cerrando fileira em torno dos objetivos traçados, estrategicamente, pelo representante das organizações Globo no patronal, desde o início das negociações. O objetivo principal consiste em fazer com que o Sindicato dos Radialistas assinem uma convenção coletiva com redução de direitos. Situação esta deixada clara, desde o início para os patrões, que não vai ocorrer.

Dessa forma, o representante da Rede Globo, impede que a convenção coletiva seja assinada, mesmo que outras emissoras, já debandaram dessa orientação. 

SBT, Record, Gazeta, EPTV, TV TEM e diversas outras emissoras de Rádio e TV no estado de São Paulo já anunciaram antecipação e reajustes salariais para seus funcionários. Das grandes emissoras, em São Paulo, apenas Globo, Band e Rede TV ainda continuam a não ter nenhum tipo de consideração por seus trabalhadores. 

Informações levantadas pelo Blog dos Radialistas revelam que a Record irá fazer o pagamento retroativo dos salários de todos seus trabalhadores com o percentual de 6%. Ou seja, já não é nem mais antecipação, é o reajuste salarial. Ficando apenas aguardando decisão do Tribunal para o pagamento das diferenças, caso houver.

Na audiência, sem o acordo entre as partes, o juiz que a conduziu, propôs os seguintes termos para que as partes assinem a convenção ante a uma deliberação do TRT;

- reajuste sobre os salários de 7%, retroativo a maio de 2.016;

- reajuste de 8,45% sobre os pisos salariais, retroativo a maio de 2.016;

- reajuste de 7% sobre todas as clausulas de natureza econômica, retroativo a maio de 2.016;

- manutenção de todas as clausulas conquistadas pelos radialistas e existentes na Convenção Coletiva anterior;

- pagamento das diferenças salariais em até 03 parcelas a partir de fevereiro de 2.017.

Os representantes dos patrões se comprometeram em analisar a proposta e passar para o Sindicato dos Radialistas seu posicionamento até o dia 31 de janeiro do próximo ano, para então, caso seja necessário, ser realizado assembleia.

Importante ressaltar que deixar para a Justiça resolver as revindicações dos trabalhadores não é a melhor solução. Instâncias superiores e a conjuntura de ataque aos direitos de classe, tem feito com que, também esse poder, contrarie frontalmente os interesses dos trabalhadores.

A receita ideal para solução de nossos problemas, não é nova, e continua sendo o que a direção do sindicato tem proposto a categoria ao longo da Campanha Salarial, que é a mobilização da categoria.

Somente a consciência de classe e sua organização, impedem ataques aos direitos dos trabalhadores.



segunda-feira, 19 de dezembro de 2016

Radialistas são informados em assembleia que patronal não apresentou nenhuma novidade para fechar acordo coletivo


Trabalhadores em assembleia: sem novidades

Por Ronaldo Werneck

Em assembleia realizada no último sábado (17), em diversas cidades do estado de São Paulo, os trabalhadores de rádio e TV no estado de São Paulo foram informados da "contra proposta" feita pelos patrões.

A informação era de que os patrões não apresentaram nenhuma novidade. Pior, o escarnio com os trabalhadores foi tanto que a comunicação do que já havia sido apresentado e que já havia sido rejeitado pelos trabalhadores, foi realizada por telefone. Não tiveram nem a decência de apresentar por escrito.

Nessa situação dá-se seguimento ao dissídio da categoria, que já se encontra na Justiça, com audiência marcada para esta segunda feira (19), como audiência de conciliação, onde as partes, perante o juizado, irão discutir os termos.


quarta-feira, 14 de dezembro de 2016

Radialistas fazem ato na porta da Band cobrando postura coerente da empresa nas negociações da Campanha Salarial

Dirigentes sindicais em ato na portaria do Grupo Bandeirantes de Comunicação


Por Ronaldo Werneck

Quarta feira é dia de protesto na BAND. Pelo menos para os Radialistas de São Paulo, pois nesta quarta feira (14), a TV Band iniciou seu dia com um barulho desses. 

O Sindicato dos Radialistas segue com a estratégia de denunciar aos trabalhadores da emissora a postura nada coerente da empresa ao se negar a dar uma solução as reivindicações levadas ao Sindicato Patronal. Alinhada a Rede Globo, a Band se presta o serviço de serviçal da outra emissora, ao seguir a estrategia montada pelas organizações Globo no Sindicato Patronal. Isto porque as outras grandes emissoras do estado já deram reajustes salariais, mesmo que parciais aos seus trabalhadores.

As duas emissoras tem acentos de seus representantes nas mesas de negociação no Sindicato Patronal e somente elas, que ainda não deram o reajuste salarial, depois de mais de um ano sem qualquer compensação financeira frente a inflação do período.

A iniciativa do Sindicato dos Radialistas vem de encontro a mobilizar os trabalhadores a se mexerem e tirar a máscara de coerência de uma empresa que fatura as custas do trabalhador, que trabalha e dedica sua vida ao seu trabalho na empresa.

Ao se negar a fazer o mínimo, que é recompor as perdas salariais do período, obviamente sem tirar direitos, demonstra o total desrespeito e consideração por quem sustenta na forma de trabalho as emissoras ligadas ao grupo Band.

Próxima quinta feira (15) o Sindicato Patronal se comprometeu a apresentar uma nova contra proposta, que será avaliada e discutida em assembleias no próximo sábado (17), às 10h00 da manhã. Elas ocorrerão simultaneamente e de forma regional; na cidade de São Paulo e em diversas cidades do interior do estado.

Procure o representante do Sindicato de sua região para saber o local da assembleia mais próxima de você, já que o horário será o mesmo da capital.

Mais fotos do ato desta quarta feira (14);









terça-feira, 13 de dezembro de 2016

Ato realizado pelo Sindicato dos Radialistas na porta da Rede Globo, pressiona para fechamento de acordo coletivo

Emissora localizada na avenida Berrini é alvo do Sindicato dos Radialistas

Por Ronaldo Werneck

Nesta terça feira (13) chefias e direção da vênus platinada se surpreenderam com o ato político do Sindicato dos Radialistas do estado de São Paulo, na porta da emissora. Isso tudo com objetivo de informar os trabalhadores das Organizações Globo, a respeito do papel que a emissora tem se dado nas negociações com o sindicato patronal.

Apesar de ser composta por representantes de diversas emissoras, quem de fato tem dado as cartas na mesa é o representante da emissora da família Marinho, que tem impedido o fechamento do acordo. Na verdade, para assinar a convenção coletiva de trabalho - CCT - deste ano, pressiona os outros representantes do patronal a seguir sua estrategia de não oferecer nada que compense a inflação do período, sem tirar os direitos conquistados.

No mês passado, sua chefia tentou espalhar boatos pela "rádio peão" acusando o sindicato dos trabalhadores de dificultar o fechamento da CCT. Fato que foi desmentido por este blog em postagem, que viralizou nas redes sociais, implodindo a estrategia da empresa de dissimular sua postura nesse processo.

Nas últimas semanas as grandes emissoras de Rádio e TV fizeram antecipação salarial, quebrando a unidade das empresas em torno da estrategia da Rede Globo. 

Com insatisfação perceptível dos trabalhadores pelos corredores da emissora, o ato vem de encontro a estimular os trabalhadores a reagir. Principalmente em demonstrar à direção da TV Globo que, o Sindicato dos Radialistas está de prontidão para dar apoio e suporte a reação dos trabalhadores da emissora.

Próxima quinta feira (15) o Sindicato Patronal se comprometeu a apresentar uma nova contra proposta, que será avaliada e discutida em assembleias no próximo sábado, dia 17, as 10h00 da manhã. Elas ocorrerão de forma regional; na cidade de São Paulo e em diversas assembleias regionais em todo estado. 

Procure o representante do Sindicato de sua região para saber local, já que o horário será o mesmo da capital.






segunda-feira, 5 de dezembro de 2016

Rede Bandeirantes segue orientação do patronal, mesmo contrariando tendência de diversas emissoras em fornecer reajuste



Por Ronaldo Werneck

Podem acreditar; a Rede Bandeirantes de Rádio e TV não tem tomado postura independente frente as necessidades de seus trabalhadores quando se fala em reajuste salarial e assinatura da Convenção Coletiva de Trabalho - CCT. 

Seguindo a lógica de obediência ao Sindicato Patronal, entidade de classe controlada pelas Organizações Globo, a emissora da família Saad está ficando para trás, abraçada isoladamente com o grupo empresarial de comunicação da família Marinho. Isto porque, dentre as grandes emissoras de TV, Globo e Band são as únicas que, por desconsideração aos seus trabalhadores, que dão o suor e o sangue para levar uma programação de qualidade, depois de meses de negociação infrutífera, ainda não ofereceu nada aos seus funcionários. 

Em nota deste blog, ontem informamos a tentativa da Rede Globo de Televisão, através de seu negociador no Sindicato Patronal, em tentar manipular seus trabalhadores contra seu sindicato.

Apesar da Rede Bandeirantes não ter feito isso, usa da mesma tática quando é para dar uma resposta aos interesses de seus trabalhadores. Tática esta que as outras emissoras já abandonaram, preocupadas em garantir que seu quadro de funcionários tenham um mínimo de atenção frente as necessidades financeiras.

SBT, Record, Gazeta, afiliadas da TV Globo e diversas emissoras de rádio e TV do interior já anunciaram reajustes salariais na condição de antecipação salarial. Tomando um distanciamento do que tem sido regra das emissoras da família Saad e Marinho. Postura dessas empresas que, diga-se de passagem, não leva a nada, além de insatisfação dos trabalhadores e possível prejuízo em sua imagem, além do estouro na folha de pagamento, se a decisão for decidida na Justiça e favorável aos trabalhadores.

Próxima quinta feira (08), o RH da empresa convocou uma reunião com a direção do Sindicato dos Radialistas onde, possivelmente, poderão discutir a respeito de reajuste salarial.

O mais importante é notarmos uma interessante iniciativa da direção da BAND em forçar o RH da empresa em dialogar com o Sindicato. Mostra de que a Rede Bandeirantes não quer mais embarcar no mesmo caminho que a TV Globo vinha conduzindo nas negociações no Sindicato Patronal em relação a nossa convenção coletiva. 

Representante da Globo no Sindicato Patronal orienta chefias a espalhar boatos na emissora


Emissora da família Marinho não conseguiu barrar antecipações em outras emissoras

Por Ronaldo Werneck

Não é novidade que a TV Globo trava para que não haja um acordo na mesa de negociação com o nosso sindicato. Também não é novidade que a emissora espalha boatos entre os trabalhadores para atingir seus objetivos.  Mais recentemente, informações levantadas pelo blog, revelam que o representante da Globo no sindicato patronal, chamou os gerentes da emissora para espalhar boatos entre seus trabalhadores. Dentre as mentiras é a de que o Sindicato dos Radialistas tem tomado posturas que estão prejudicando as negociações para fecharmos nossa convenção coletiva.

Mentiras como a de que o Sindicato dos Radialistas fechou os portões de sua sede, para que os trabalhadores não pudessem entrar para se manifestar ou votar na assembleia.

Na avaliação do negociador da TV Globo é de que a emissora não deverá dar nada de antecipação salarial, esperando que o Tribunal Regional do Trabalho dê menos do que é reivindicado pelo Sindicato dos Radialistas. Como, por exemplo, de que a Justiça dê 6, 7% ou talvez, até 9,83% sem ser retroativo. Além de prosseguir com sua tática de aglutinar dois anos sem acordo coletivo assinado, como tem feito com outros sindicatos, para oferecer um índice menor do que deveria para os dois anos acumulados.

O Sindicato dos Radialistas há meses tem tentado uma solução que atenda os interesses da categoria e não da emissora. Desde o ano passado, a tática do patronal é vencer pelo cansaço, mas nossas assembleias os trabalhadores, que tem comparecido e reafirmado o compromisso com a diretoria, de não abrir mão de direitos conquistados tem sido constante.

O que a TV Globo não esperava é que os patrões se dividissem. Diversas emissoras no interior do estado já fizeram reajuste salarial. SBT, Record, TV Gazeta e até emissoras afiliadas da TV Globo como TV Vanguarda e EPTV, já anunciaram os respectivos reajustes, aguardando definição do dissídio, que no dia 06 de dezembro, prossegue com audiência de conciliação no Tribunal Regional do Trabalho.

O objetivo dos boatos, espalhados através da gerência na emissora, também é que os trabalhadores da emissora sejam manipulados a pressionar o Sindicato dos Radialistas a fazer o que a emissora quer. O negociador da emissora já adiantou que a TV Globo não irá fazer antecipação salarial. Doa a quem doer e espera que os trabalhadores façam aquilo que ele planejou. Na verdade, quando as grandes emissoras romperam com a postura de obediência à TV Globo, deixou a emissora em situação crítica. O descontentamento dentro do prédio da Berrini é geral e ela não quer pagar esta conta, por isso tenta empurra-la para o Sindicato dos Radialistas. 

Porque o Sindicato dos Radialistas entrou na Justiça

A orientação do Tribunal Regional do Trabalho é de que deve haver mútuo consentimento para que a Justiça aprecie as reclamações levadas à ela. O que o Sindicato Patronal se recusou a fazer. Para não perdermos nossa data base e os direitos conquistados até o momento, o Sindicato dos Radialistas foi obrigado e entrar na Justiça, já que o Sindicato Patronal, com orientação da TV Globo, não tem o mínimo interesse em atender as reivindicações dos trabalhadores.

Portanto os companheiros devem ficar atentos a esta postura, que não é novidade da TV Globo. Em 2013, antes das jornadas de junho, quando o povo foi para rua protestar, diversos trabalhadores foram pressionados a vir na assembleia a votar contra a orientação da direção do Sindicato dos Radialistas. Inclusive abrindo mão de direitos históricos. Mas numa votação democrática, a maioria decidiu por não, à proposta patronal, autorizando a direção do Sindicato a continuar a negociação, onde foi possível garantirmos uma conquista histórica para os radialistas no estado de São Paulo. Que foi a obrigatoriedade do fornecimento dos tickets refeições a todos os trabalhadores da categoria.