sexta-feira, 15 de julho de 2016

Radialistas realizam encontro, da categoria paulista, na cidade de Campinas

Pela sétima vez os radialistas paulistas se reúnem para discutir soluções para seus problemas


Por Ronaldo Werneck


Começa hoje (15/07), a partir das 18h00, em Campinas, o sétimo encontro dos radialistas do interior, realizado pelo Sindicato dos Radialistas do estado de São Paulo.

Com o tema em forma de questão "A crise é Cibernética?", a diretoria da entidade procura questionar, junto aos radialistas do interior do estado, o avanço das novas tecnologias que vem substituindo, paulatinamente, atividades, ora preponderantemente, dos trabalhadores. Mas não é só isso. Essa discussão gira em torno de como o avanço tecnológico é montado, com o convencimento dos trabalhadores, de que isso é uma "evolução natural" do desenvolvimento da economia. 

No encontro também irá ser discutido outros fenômenos que tem relação direta com os radialistas paulistas, como a conjuntura política, o assédio moral no local de trabalho, novas tecnologias e novas doenças profissionais.

Programado para acontecer a partir de hoje até domingo (17/07), espera-se a participação máxima de 70 profissionais, limitado devido a disponibilidade para este evento. O encontro foi organizado com a prerrogativa de inscrições, que já foram encerradas.

Um fenômeno exclusivo da capitalismo, a substituição da força de trabalho dos trabalhadores por máquinas ou programas de computadores, tem levado cada vez mais a diminuição de trabalhadores contratados nas emissoras de rádio e TV. Quando não ao constante acúmulos de funções sem a devida remuneração, como determina a legislação da categoria.

As pressões dos patrões sobre os trabalhadores, para garantir mais valia, leva a organização das empresas a implementar uma série de posturas que, se não houver reação dos trabalhadores, condiciona os mesmos a desenvolverem doenças ocupacionais.

Como se vê uma coisa está ligada a outra. O que, de fato se percebe, é que os trabalhadores de rádio e TV precisam se ligar, pois nada acontece por acaso. Em meio a este "mar de obstáculos e problemas", que se avolumam, a saída é a conscientização. E este encontro promove justamente isto.

segunda-feira, 4 de julho de 2016

Radialistas de São Paulo aprovam contra proposta e unidade com jornalistas na luta por fechamento de acordo coletivo

Membros da direção dos sindicato dos radialistas e jornalistas na assembleia


Por Ronaldo Werneck

No último sábado (02/07), em assembleia dos radialistas de São Paulo, a categoria presente aprovou nova contra proposta a ser apresentada ao sindicato patronal de rádio e TV, dando seguimento a campanha salarial, que se estende, devido ao desinteresse dos patrões em atender as reivindicações dos trabalhadores da categoria.

Em assembleia histórica dos radialistas, a direção do Sindicato dos Jornalistas participou, dando apoio aos radialistas e anunciando apoio em luta conjunta, pois os jornalistas, desde dezembro de 2015, estão sem seu acordo coletivo assinado. Os patrões tem usado da mesma estratégia ao propor índices menores do que a inflação e redução de direitos nas cláusulas que tem sido assinada há anos.

Os radialistas propõe manter, na pauta a ser assinada, o índice inflacionário de 9,83%, assinatura do acordo anterior e 9,83% + 1% de aumento real, para os pisos salariais da categoria que, historicamente, tem sido assinado nos últimos anos.

No dia 21 de junho o Sindicato dos Radialistas protocolou documento onde decreta estado de greve na categoria, abrindo a possibilidade de qualquer emissora entrar em greve, atendendo os dispositivos legais.

Nesta assembleia histórica, onde radialistas e jornalistas estendem as mãos, estrategicamente na luta conjunta, pelos fechamentos de seus respectivos acordos coletivos, foi criado comissão de agitação e organização, que irão construir a greve. 

Na oportunidade os dirigentes sindicais Sergio Ipoldo (radialistas) e Paulo Zocci, gravaram mensagem para suas respectivas categorias, informando o que foi decidido na assembleia (vídeo abaixo).






Registro de fotos da assembleia 02.07.2016

Radialistas de São Paulo aprovam contra proposta e unidade com jornalistas na luta por fechamento de acordo coletivo

Membros da direção dos sindicato dos radialistas e jornalistas

Por Ronaldo Werneck

No último sábado (02/07), em assembleia dos radialistas de São Paulo, a categoria presente aprovou nova contra proposta a ser apresentada ao sindicato patronal de rádio e TV, dando seguimento a campanha salarial, que se estende, devido ao desinteresse dos patrões em atender as reivindicações dos trabalhadores da categoria.

Em assembleia histórica dos radialistas, a direção do Sindicato dos Jornalistas participaram, dando apoio aos radialistas e anunciando apoio em luta conjunta, pois os jornalistas, desde dezembro de 2015, estão sem seu acordo coletivo assinado. Os patrões tem usado da mesma estratégia ao propor índices menores do que a inflação e reduzindo direitos, nas cláusulas que, tem sido assinada há anos.

Os radialistas propõe manter, na pauta a ser assinada, o índice inflacionário de 9,83%, assinatura do acordo anterior e 9,83% + 1% de aumento real, para os pisos salariais da categoria. Que, historicamente, tem sido assinado nos últimos anos.

No dia 21 de junho o Sindicato dos Radialistas protocolaram documento onde decreta estado de greve na categoria, abrindo possibilidade de qualquer emissora entrar em greve, atendendo os dispositivos legais.

Nesta assembleia histórica, onde radialistas e jornalistas estendem as mãos, estrategicamente na luta conjunta, pelos fechamentos de seus respectivos acordos coletivos, foi criado comissão de agitação e organização, que irão construir a greve. 

Na oportunidade os dirigentes sindicais Sergio Ipoldo (radialistas) e Paulo Zocci, gravaram mensagem para suas respectivas categorias, informando o que foi decidido na assembleia (vídeo abaixo).






Registro de fotos da assembleia 02.07.2016