quarta-feira, 30 de setembro de 2015

Sindicato derrota TV Band na Justiça e obriga empresa a pagar diferença de horas extras aos seus trabalhadores


Prédio da TV Bandeirantes no Morumbi, em São Paulo

Por Ronaldo Verneck. Com informações da redação Sindicato dos Radialistas

Foram longos 25 anos até que decisão favorável, da Justiça, fosse dada aos trabalhadores. Na verdade, o Sindicato dos Radialistas de São Paulo já havia ganho o processo para seus sócios, apenas quem não era sócio ficou de fora da decisão.

Entenda o caso:

Em maio de 1990 o Sindicato conquistou para a categoria o direito de receber as primeiras duas horas extras com adicional de 100%, pois antes era 50%. O Dissídio somente foi julgado em novembro, sendo que, até então, a Bandeirantes continuou pagando as horas extras com adicional de 50%. Em dezembro de 1.990 a Bandeirantes pagou as diferenças de tais horas extras, mas sem a correção monetária. Foi assim que o Sindicato entrou com o processo para que essa correção fosse paga. Embora os valores a receber não sejam tão significativos, pertencem integralmente aos trabalhadores.

Por isso reafirmamos a importância de ser sócio de sua entidade de classe. A contribuição financeira é importante para dar independência financeira para a entidade. Os patrões tem seu sindicato e são sócios, mas nem todos os trabalhadores são sindicalizados. Também não basta ser sócio e não participar das instâncias deliberativas, na qual os trabalhadores são chamados. Assembleias, congressos e encontros, fazem parte de todo um processo de organização, que culmina com vitórias como essa na luta e na Justiça.

A TV Bandeirantes tem histórico de não cumprimento da Lei do Radialista, bem como de sua Convenção Coletiva. Os litígios acabam indo para a Justiça, que é morosa. Mas a organização política dos trabalhadores, pode adiantar processos como este, que nem deveriam ir para a Justiça. Não é interessante "esperar acontecer". Venha, junto com o Sindicato dos Radialistas, fazer sua própria história. Ser sócio de seu Sindicato é ter consciência de classe e garantir, que seus direitos, não sejam usurpados pelos patrões.

O Sindicato dos Radialistas estará fazendo o pagamento dessa ação aos trabalhadores da TV Bandeirantes neste sábado, dia 03, a partir das 9h00 até as 15h00. Para saber se você tem direito, veja se seu nome está na lista de beneficiários do processo.

terça-feira, 29 de setembro de 2015

A luta pela democratização dos meios de comunicação



Por Ronaldo Werneck

Já faz um bom tempo que a sociedade brasileira organizada, bem como parlamentares, estudantes e professores, debatem a necessidade de garantir mais democracia num setor oligopolizado que é o Rádio e a TV, principalmente.

Mesmo com a garantia constitucional de não permitir o monopólio dos meios de comunicação, poucas famílias detém concessões públicas de rádio e TV, onde não se permite pluralidade de versões dos fatos. Com informações desvirtuadas, sem regionalismo na programação e sem dar voz à sociedade, o rádio e a TV perde audiência e mercado.

A população brasileira é vítima de um processo que advém desde os tempos da ditadura, quando o governo militar garantiu benesses a TV Globo e, desde então, o setor segue fechado. 

Nesse período, da consolidação da TV brasileira, nenhum outro setor foi tão bem monopolizado como o rádio e a TV. Por ser um patrimônio público, o espectro radioelétrico deveria estar sob uma legislação onde o poder público pudesse garantir o funcionamento correto dele. Como acontece em diversos países que conseguiram regular este setor.

Portugal, Estados Unidos, Inglaterra, Argentina, são exemplos de países onde diversos mecanismos de controle estão regulamentados, para não ferir o funcionamento da democracia.

Paulo Henrique Amorim, no seu livro, recém lançado, chamado "O Quarto Poder", podemos não só acompanhar a história da televisão no Brasil, mas detalhes de diversas irregularidades que não só existiu no setor, mas ainda permanece. Na verdade o jornalista revela bastidores da televisão, das emissoras por onde atuou, em especial Rede Globo de TV e da política brasileira.


Livro do jornalista Paulo Henrique Amorim

Conhecer nossa história, como trabalhadores deste setor, nos faz ter senso crítico para nos posicionar, perante a manipulação política neste meio eletrônico e nos organizar como classe, para não sermos vítimas mais de uma vez.

quarta-feira, 23 de setembro de 2015

Marcada audiência pública, da TV Cultura, na Assembleia Legislativa de São Paulo



Foi agendada audiência pública sobre a TV Cultura na Assembleia Legislativa de São Paulo na próxima terça feira, dia 29, às 18h00

O movimento "Eu quero a RTV Cultura Viva!" se reúne hoje (23), quarta feira, às 19h00 na sede do Centro de Estudos da Mídia Alternativa Barão de Itararé, que fica na rua Rego Freitas, n. 454, oitavo andar, sala 83, na República, em São Paulo, capital. Para discutir os procedimentos e sua organização na participação.

Composto por várias entidades, que se posicionam por uma TV Pública de qualidade e que preste serviço relevante a sociedade, o Movimento "Eu quero a RTV Cultura Viva" mantém um abaixo assinado on line, onde as pessoas podem contribuir com seu posicionamento favorável pelas emissoras pública da fundação Padre Anchieta.





A audiência pública é um instrumento fundamental de participação popular junto às esferas públicas de administração. Mais comumente utilizado pelo legislativo. Alguns governos, de orientação popular, se utilizam do mesmo procedimento, para se aproximar e discutir com o cidadão, assuntos de seus interesses. 

Ela serve também para informar, discutir, dirimir dúvidas e ouvir opiniões sobre anseios da comunidade, em especial, a população diretamente afetada.



A audiência será realizada no auditório Paulo Kobayashi da ALESP. Entrada liberada para quem quiser participar. 



segunda-feira, 21 de setembro de 2015

Dia 21 de setembro é o dia do Radialista. Há o que comemorar?

 


Por Ronaldo Werneck

Desde 1945 o dia do Radialista é comemorado pelos radialistas do Brasil no dia 21 de setembro, por conta do decreto do Presidente Getúlio Vargas que, na época, decretou os níveis mínimos de salários da categoria. 

Vejam, quem escolheu a data foi a própria categoria, neste caso.

Mais recentemente, precisamente em 2006, outro Presidente da República, no caso Luís Inácio Lula da Silva, o dia 7 de novembro, em alusão ao aniversário do músico e radialista Ary Barroso, instituiu o dia do Radialista através da Lei 11.327 de 24 de julho do mesmo ano. 

Qual seria a data verdadeira? A escolhida pela categoria ou por força de uma Lei? Importante esclarecer que, na época da institucionalização da Lei, não se tem notícia de diálogo com a categoria entre o governo de Lula e os trabalhadores, para a mudança desta data comemorativa. Quer coisa mais irônica do que um segundo governo trabalhista fazer isso?! 

O Sindicato dos Radialistas de SP continua mantendo a tradição histórica dos trabalhadores de comemorar e saudar os radialistas de que a data alusiva, mais simbólica é a do dia 21 de setembro. Pelos motivos expostos acima.

Os radialistas são os responsáveis por garantir a produção e a transmissão de programas radiofônicos e televisivos, sejam através de emissoras de Rádio ou TV ou de produtoras de áudio e vídeo. 

Não é de hoje que a profissão dos Radialistas encanta parte da sociedade e de trabalhadores. É como um vício. Ter uma dose todos os dias de comunicação. Seja ele pelo microfone, seja ele segurando uma câmera de vídeo. No entanto, há muito tempo os trabalhadores radialistas tem sofrido ataques em sua profissão. Quando não os patrões, que não pagam corretamente os salários e benefícios, hora é o governo federal de plantão, que institui uma mudança, sem se importar com quem realmente são os interessados. 

Independente de que data você escolha para comemorar, o mais importante são os trabalhadores se enxergarem como categoria. Mais precisamente como classe. Pois foi ela quem, ao longo da história, unificou os trabalhadores radialistas e garantiu os diversos direitos trabalhistas, que quando não são respeitados, é possível fazer valer na Justiça ou na luta.

Parabéns Radialistas! Nossa história seria diferente sem vocês.

quinta-feira, 17 de setembro de 2015

Direção das Rádio Clube AM e FM, de Guaratinguetá, paga salários atrasados e assina estabilidade aos trabalhadores que estavam em greve

Luminoso na fachada, de uma das emissoras que estavam em greve

Por Ronaldo Werneck

Nesta terça feira (15), após intensas negociações com o Sindicato dos Radialistas do Estado de São paulo, a direção das Rádios Clube AM e FM efetuaram o pagamento de salários atrasados aos seus trabalhadores, que estavam em greve, além de firmarem compromisso com a estabilidade desses radialistas.

A direção dessas empresas também assumiram formalmente o compromisso de pagamento da Participação nos Resultados até o dia 30 de setembro. Compromisso assinado de não descontar os dias parados.

Para os diretores do Sindicato dos Radialistas, que estiverem presentes, durante a greve, na porta das emissoras, em Guaratinguetá, interior de SP, foi uma grande vitória dos trabalhadores. "Foi uma conquista de classe", relata Daily de Oliveira.

Os trabalhadores vinham há quase um mês em estado de greve, devido o mesmo problema encontrado no mês passado. Não sendo suficiente para convencer os patrões, que pagaram pra ver se os trabalhadores iriam parar, novamente. Os trabalhadores cruzaram os braços e em apenas dois dias, sem a programação no ar, foi o suficiente para os patrões verem que o prejuízo é muito maior, do que não pagar corretamente seus funcionários.

Numa atitude de classe e cansados do pouco caso da direção dessas empresas, os trabalhadores radialistas das Rádios Clube AM e FM de Guaratinguetá, não só pararam, como permaneceram unidos, até o fim das negociações. 

Os trabalhadores formalizaram novamente o estado de greve, para que a empresa esteja de sobre aviso, caso não cumpra os compromissos assumidos, de que podem entrar em greve novamente.

O descumprimento dos direitos desses radialistas poderão levar esses trabalhadores a entrarem em greve novamente. E o Sindicato dos Radialistas do Estado de São Paulo estará junto, com o apoio que precisarem.

terça-feira, 15 de setembro de 2015

Novamente em greve, as Rádios Clube AM e FM de Guaratinguetá, permanecem no ar sem programação

Radialistas de Guaratinguetá em greve

Por Ronaldo Werneck

Pela segunda vez este ano as emissoras Rádio Clube AM e FM, de Guaratinguetá-SP, no Vale do Paraíba, estão paralisadas por não efetuarem o pagamento de salários e participação nos resultados de seus trabalhadores.

As 6h00 da manhã desta segunda feira (14), os radialistas da Rádio Clube AM e FM cruzaram os braços. Em estado de greve, desde a última paralisação, pelo mesmo motivo, os trabalhadores deram um basta a postura da empresa que tem histórico de atraso de pagamentos.

Sem compromisso de efetuar o pagamento de salários pelos próximos dias, os trabalhadores decidiram permanecer em greve até o pagamento dos salários atrasados. 

As emissoras tem passado dificuldade financeira, segundo a direção das mesmas, pq nos últimos meses está sem corretores de espaços publicitários. Desde, então, a emissora vê sua carteira de clientes diminuir e as despesas permanecerem. Sem perspectiva de mudança desse quadro, os trabalhadores, que começam a passar por dificuldades financeiras, já que estão sem salários, não retornarão ao trabalho.

O Sindicato dos Radialistas do Estado de São Paulo continua apoiando o movimento, com seu departamento jurídico, mediante encaminhamentos de demandas à Junta Trabalhista e com a presença de diretores na porta das emissoras, para impedir que a direção das mesmas coloque trabalhadores, que não fazem parte do quadro de funcionários, muito menos sem habilitação, para operar os equipamentos, para tocar a programação.

O movimento segue neste impasse, até que a empresa apresente solução para isso.

quinta-feira, 10 de setembro de 2015

CNPC abre inscrições para eleição de colegiado na área de Cultura




Pelo Ministério da Cultura

O Conselho Nacional de Política Cultural (CNPC), principal órgão colegiado do Ministério da Cultura (MinC) de participação popular para construção de políticas públicas, abriu dia 17 de agosto as inscrições para eleitores e candidatos para compor seus Colegiados Setoriais e o Plenário do conselho. O prazo de inscrições se encerra em 26 de setembro.

As inscrições poderão ser feitas por meio da plataforma digital . Por este canal, os interessados poderão se inscrever para votar ou para se candidatar nos seguintes Colegiados: Arquitetura e Urbanismo; Arquivos; Arte Digital; Artes Visuais; Artesanato; Circo; Culturas Afro-Brasileiras; Culturas Populares; Dança; Design; Literatura, Livro e Leitura; Moda; Música; Patrimônio Imaterial; Patrimônio Material; e Teatro. 



Os Colegiados Setoriais são instâncias que compõem o CNPC, formadas por 40 integrantes, dos quais 30 são da sociedade civil (15 titulares e 15 suplentes) e 10 do Poder Público (divididos em cinco titulares e cinco suplentes).

Podem fazer parte do processo eleitoral do CNPC pessoas físicas, brasileiras ou estrangeiras naturalizadas com atuação nas áreas técnico-artistas. Os interessados poderão se inscrever na condição de eleitores (maiores de 16 anos) e/ou candidatos (maiores de 18), mediante cadastro na plataforma.

As inscrições também serão aceitas nos encontros presenciais, que serão realizados nas 27 unidades da Federação, no período de 8 a 26 de setembro.  Os encontros favorecerão o debate, a apresentação dos candidatos e contarão com pontos de acesso à plataforma para inscrições e votação.

Participem! 

Mais informações podem ser acessadas no link:

Nota do blog: É importante que os companheiros radialistas participem das instâncias colegiadas de participação social para que as políticas culturais, onde haja envolvimento técnico, na área audiovisual, tenha influência de nossa categoria.