segunda-feira, 29 de junho de 2015

Em congresso nacional, radialistas aprovam novo plano de lutas e organização da categoria

Radialistas na plenária do 10º Congresso da FITERT no RJ


Por Ronaldo Werneck

Os radialistas eleitos ao 10º congresso nacional da categoria estiveram no evento no Rio de Janeiro nos dias 24 a 27 de junho e aprovaram uma série de ações, num plano de lutas, para enfrentar os patrões, que sempre querem retirar direitos dos trabalhadores. Além de aprovar uma nova plenária para discussão do Registro Profissional e outra estatutária, já que o estatuto da federação precisa de alguns ajustes. 

Sérgio Ipoldo, coordenador do Sindicato dos Radialistas de SP, questionou a aprovação da Plenária do Registro Profissional. Segundo ele, já foram realizadas outras plenárias e afirma que é um equívoco tentar ajustar mecanismos de fornecimento do Atestado de Capacitação Profissional. Acredita que desta forma, os sindicatos acabam fazendo com que os próprios radialistas não deem valor a regulamentação da profissão e não procurem a formação técnica necessária, já que os sindicatos oferecem essa alternativa.

As discussões e as deliberações do congresso foram além. Dentre os pontos aprovados na organização dos radialistas, um plano nacional de formação dos dirigentes sindicais foi deliberado pelos congressistas e também merece nosso registro aqui. Os presentes entenderam a necessidade e importância de qualificação política dos nossos dirigentes. Há a discussão de que nesse plano de formação nacional, deva ser estendido aos companheiros da base. 

Os congressistas aprovaram também Moções de Repúdio. Dentre elas a que mais destacamos foi o da TVT (Televisão dos Trabalhadores). A moção foi aprovada pelo fato da TVT não ter feito  a cobertura da greve dos trabalhadores da TV Cultura que aconteceu recentemente. Mesmo quando foi solicitado pelo sindicato da categoria. Além de que a TVT enviou material audiovisual produzido por ela à RTV Cultura durante a greve.


quarta-feira, 24 de junho de 2015

Trabalhadores da RTV Cultura aprovam contraproposta da emissora e retornam ao trabalho



Trabalhadores RTV Cultura votam pelo retorno ao trabalho, mas mobilizados


Por Ronaldo Werneck

Aprovado o acordo
Em assembleia nesta quarta-feira (24/06), os trabalhadores da Rádio e TV Cultura aceitaram a contraproposta apresentada pela direção da empresa, que consiste no retorno ao trabalho a partir da 0h00 de quinta feira (25/06), não desconto dos dias parados, estabilidade no emprego durante trinta dias e empenho para providenciar o pagamento do abono em até três vezes, para os trabalhadores.

Os trabalhadores devem ficar atentos
Mesmo não sendo uma decisão unânime da assembleia, a maioria dos trabalhadores entendeu a proposta apresentada e a aprovaram, frente as circunstâncias relatadas pela direção do sindicato. Agora, ao voltar ao trabalho, os trabalhadores continuam mobilizados dentro da emissora. As assembleias continuarão acontecendo, para informe e organização dos companheiros para ações combinadas junto com o sindicato.

Mobilizados, os trabalhadores voltam ao trabalho e atentos as negociações com a direção da empresa. Mantendo a organização para ações combinadas junto com o sindicato.

sexta-feira, 19 de junho de 2015

Radialistas da Rádio e TV Cultura entrem em greve após direção da emissora não apresentar solução para o cumprimento da Convenção Coletiva de Trabalho da categoria



Cartaz na RTV Cultura comunicando paralisação dos trabalhadores na emissora


Por Ronaldo Werneck

As 0h00 desta sexta feira (19/06) os trabalhadores da Rádio e TV Cultura entraram em greve após direção da emissora não apresentar solução para as irregularidades, que se encontram na emissora. Irregularidades relacionadas ao cumprimento da Convenção Coletiva de Trabalho e a Lei do Radialista, que estavam sendo negociadas há mais de dois meses, sem com isso avançar no caminho de uma solução.

Segundo a direção do Sindicato dos Radialistas, mais de 80% dos trabalhadores radialistas se encontram em greve. Permanecendo no trabalho apenas quem ocupa cargos de confiança nesse setor. 

Em contato com a direção do Sindicato dos Jornalistas, através do diretor Wladimir Miranda, nos informou que o Sindicato irá enviar carta a direção da emissora comunicando que nenhum jornalista irá desenvolver funções de radialista. Segundo informações levantadas por este blog, os jornalistas da emissora, em assembleia realizada nesta tarde de sexta feira (19/06) em frente a emissora, decidiram enviar uma carta para emissora em apoio a greve dos radialistas e estipulando que, aguardam regularização da situação até a data do pagamento. Não ocorrendo isso entram em estado de greve.

Há décadas, sob orientação de um partido político, a mais conhecida e premiada emissora pública do país vem sendo desmontada em seu capital criativo. Com uma visão conservadora e que promove a participação da iniciativa privada como fonte importante em sua sustentação financeira, a emissora definha a olhos nus. Mantém uma programação distante daquela que realçou sua reputação mundo a fora. Basicamente serve a interesses políticos e, por isso, cumpre menos sua função social, no que tange a diversidade cultural, informativa e de opiniões. 

Os trabalhadores da Rádio e TV Cultura, mais uma vez, estão dando um exemplo de como se faz uma luta em defesa de seus direitos e da defesa de uma emissora que, ainda, presta um grande serviço a comunidade paulista e ao país. Deveria sim estar voltada para o interesse público e menos para os arranjos financeiros precários, onde serve apenas para garantir seu funcionamento.

quinta-feira, 18 de junho de 2015

Um tanto distante, mas não impossível, Piso Nacional dos Radialistas, de R$ 2.48 mil, é aprovado em comissão da Câmara dos Deputados



Por Ronaldo Werneck

Sem muito alarde, mas muito significativo para os trabalhadores de empresas de Rádio e Televisão do país, o Projeto de Lei 3982/1012, do Deputado Andre Moura/PSC-SE, foi aprovado na Comissão de Constituição e Justiça e segue para o plenário da Câmara. Este projeto institui o Piso Nacional de Salários para todos os Radialistas do Brasil. No projeto, o Piso Nacional dos Radialistas é fixado em R$ 2.480,00, para uma carga horária de 30 horas semanais. O projeto também determina o índice de correção salarial, que será aplicado anualmente, que é o Índice Nacional de Preços ao Consumidor (INPC).  

Segundo José Antonio Jesus da Silva, diretor coordenador da Federação Interestadual dos Trabalhadores em Empresas de Radiodifusão e Televisão (FITERT), a proposta foi aprovada por unanimidade pelos presentes na comissão. No entanto afirma que é necessário fazer contato com os deputados.  "Necessitamos da ajuda de todos os companheiros, de cada estado, para que dialoguem com seus deputados e façam frente para aprovação."

Em meio a uma pauta conservadora e desgastado perante a opinião pública, parte do Congresso, pelo menos até agora, entendeu a importância de garantir um mínimo de remuneração decente para aqueles trabalhadores que dedicam, grande parte de sua vida a garantir conteúdo e qualidade técnica em informação, cultura e entretenimento para todos os brasileiros.

Afirmamos que a melhor forma de garantir melhor remuneração não é puxando saco do patrão, nem do chefete. Isso é lógico. Apesar de encontrarmos isso em nossa categoria. Muito menos sentar e esperar as negociações do Sindicato com os patrões. É necessário empenho e disposição de luta, junto com o seu Sindicato.

Agora estamos vendo uma outra iniciativa, que caminha para uma decisão. Se será favorável, tem muito a ver como lidamos em relação a nossa organização como categoria. Se ficarmos esperando os deputados votarem, majoritariamente pelo nosso piso, mas sem fazer nada, o resultado já se desenha. Não vai ter piso nacional nunca. Mas se empenharmos, como devemos nos empenhar nas lutas organizadas pelos nossos sindicatos, certamente a esperança pode ser de um final feliz.

Para fazer contato com seu deputado, clique neste link e comece a fazer pressão nele. Seja através de e-mail, material impresso, telefone, Whats App, Facebook ou até fumaça. Pode ter certeza que isso pode ajudar. Mais ainda, se você participar das atividades sindicais, que o Sindicato promove em seu estado. Agora, se seu sindicato é inerte, não toma iniciativa, é porque está faltando trabalhadores dentro dele. Entre em contato conosco que, talvez, possamos lhe ajudar. 


Seu deputado tem escritório político em sua cidade? Então vai lá falar com ele e tomar um cafezinho com os funcionários do espaço. Se preferir e, é ainda melhor, vá acompanhado de vários companheiros. Até familiares. Certamente ele sentirá que você, como outros radialistas não estão sozinhos. Tire fotos e publique nas redes sociais. Pode fazer a diferença no convencimento deste deputado. Assim, você pode ajudar outros companheiros a se inspirar e fazer o mesmo. 

segunda-feira, 15 de junho de 2015

Trabalhadores da RTV Cultura decidem greve a partir de 0h00 do dia 19/06

Assembleia dos radialistas da RTV Cultura em frente da emissora


Por Ronaldo Werneck

Em assembleia na última sexta feira (12/06), os trabalhadores da Rádio e TV Cultura decidiram por greve as 0h00 do dia 19 (sexta feira), caso a empresa não atenda as reivindicações, que estão sendo negociadas há mais de dois meses.

A situação de irregularidade na emissora fez com que os trabalhadores se mobilizassem já que, dentre as grandes empresas do setor, a RTV Cultura é a única que não fez o reajuste integral dos salários de seus trabalhadores. Ou seja, está em situação irregular em relação a Convenção Coletiva de Trabalho 2014/2015. As irregularidades não se resumem apenas no reajuste salarial, mas no descumprimento da Lei do Radialista como; trabalhadores sem o devido Registro Profissional, acúmulos de funções, estagiários desenvolvendo atividade profissional, horas extras, escalas de folgas e trabalho não cumpridas e falta de profissionais da área. 

A direção da empresa, no dia 29 de maio, realizou uma reunião em que solicitou prazo ao Sindicato, para que pudessem providenciar a regularização da situação. Já, no dia 12/06 (sexta feira), os trabalhadores entenderam de que não devem postergar, indefinidamente, essa situação e decidiram por um prazo, até quinta feira (18/06), como limite para a regularização dessa situação. Não sendo cumprido a Convenção Coletiva em vigor, a greve acontece a partir das 0h00 de sexta feira. 

quinta-feira, 11 de junho de 2015

Radialistas paulistas fazem nova assembleia para avaliar proposta dos patrões

Sindicato na porta da Bandeirantes em ato sindical
Por Ronaldo Werneck
Depois de intensas negociações semanais, a cada semana uma proposta, mas nem sempre apresentável a categoria,  a diretoria do Sindicato dos Radialistas tomou a decisão de levar a discutir a nova proposta dos patrões.
Todos os trabalhadores de empresas de radiodifusão, televisão e produtoras de áudio e vídeo, que tem seu material exibido em empresas de radiodifusão, estão convocados a participar de assembleias, nesta semana, que são regionais. 
Acompanhe abaixo o local mais próximo de sua residência ou local de trabalho, para participar e ajudar a diretoria, junto com a categoria, a decidir se devemos aceitar ou apresentar nova contra proposta aos patrões.
ARAÇATUBA 11/06 19H00 SUBSEDE - RUA EUCLIDES DA CUNHA, 237 - VILA BANDEIRANTES
TAUBATÉ 13/06 10HS SUBSEDE - AV. VILA RICA, 27 - SALA 02 - ESTIVA 
RIBEIRÃO PRETO 13/06 13HS SUBSEDE - RUA ALVARES DE AZEVEDO, Nº 476 - VL TIBÉRIO
 PRES. PRUDENTE 12/06 20HS SUBSEDE - R. WENCESLAU BRAZ N. 08, SL 14 - VL. EUCLIDES
 CAMPINAS 13/06 10HS SEDE METAL CAMPINAS – R DR QUIRINO, 560
 S J RIO PRETO 13/06 10HS CÂMARA MUNICIPAL - R SILVA JARDIM, 3357 – CENTRO – AUDITÓRIO 3º ANDAR
 SANTOS 13/06 11HS SUBSEDE SANTOS AV ANA COSTA, 55 – VL MATHIAS
 CAPITAL 13/06 09HS SEDE SOCIAL - RUA CONSELHEIRO RAMALHO, 992

quarta-feira, 10 de junho de 2015

Em Guarulhos, radialistas em greve ocupam a Rádio Cumbica e transmitem programação própria

Dirigentes sindicais no estúdio, em programa alternativo

Por Ronaldo Werneck

Como sabemos, todas as lutas não são fáceis de se levar adiante. É necessário coragem e compromisso político para se chegar ao seu objetivo. Mas com organização e planejamento, avançamos conforme a conjuntura nos for apresentada. E é o que está acontecendo em Guarulhos.

Mesmo após ter sido comunicado do estado de greve e da possibilidade de paralisação dos trabalhadores, o diretor da empresa, sr. Gerson Marcondes, ex deputado federal e candidato a vereador derrotado por Guarulhos nas eleições de 2012, não deu as caras na emissora. Pior, nem se manifestou ao saber que os trabalhadores estavam em greve. Deveria entrar em contato com a direção da entidade, para discussão dos termos para retomada das negociações.

Por conta disso, os trabalhadores, em greve, juntamente com a diretoria do Sindicato, tomaram a decisão de ocupar a emissora e retomar a transmissão do sinal da rádio, que estava fora do ar, há algumas horas. Além de prestar serviços, através do rádio, à comunidade de Guarulhos.

A programação da Rádio Cumbica 1500 segue com a prestação de serviços à comunidade, sua utilidade pública e com músicas brasileiras. Enviamos um convite, para quem quiser sintonizar a emissora. Encontrará na frequência 1500 khz uma nova programação, que perdurará até que as negociações sejam retomadas. Se você internauta quiser acompanhar a luta desses trabalhadores e do Sindicato através da nova programação, visite este link e acompanhe essa luta.

Importante ressaltar que, a concessão da emissora está sem renovação desde 2006. Ou seja, a emissora estava em situação irregular, não só no campo da legislação trabalhista, mas também da legalidade junto a Anatel.

segunda-feira, 8 de junho de 2015

Trabalhadores da Rádio e TV Cultura estabelecem prazo para empresa decidir pelo cumprimento da Convenção Coletiva de Trabalho

Trabalhadores da Rádio e TV Cultura votam em Assembleia, em frente à emissora.

Por Ronaldo Werneck

Na manhã desta segunda feira (08/06) a direção da empresa, que se reuniu com a direção do Sindicato dos Radialistas e solicitou que este encaminhasse uma proposta de data, para um posicionamento dela, em relação as reivindicações dos trabalhadores. Na verdade, é importante informar que, dentre as grandes emissoras de Rádio e TV no Estado de São Paulo, a Fundação Padre Anchieta, que administra as emissoras de Rádio e TV Cultura, é a única que não fez o reajuste integral no ano passado.

Um canal de diálogo foi estabelecido, para ir negociando as reivindicações, mas não tem se apresentado suficiente aos trabalhadores. Por conta disso, os radialistas cansaram da demora e se movimentaram. Procuraram o Sindicato para que os orientassem nessa luta em defesa de seus direitos. O prazo solicitado pela empresa, para um posicionamento, foi o dia 19 de junho, sexta feira da semana que vem. O que foi prontamente recusado pelos trabalhadores, nas duas assembleias, realizadas na praça em frente da emissora. Uma as 13h00 e  a outra 16h00 da tarde. Para que os trabalhadores dos dois períodos pudessem se posicionar. 

Na verdade, os radialistas da Rádio e TV Cultura deram um outro prazo, para que a direção da emissora se posicione. Preferencialmente, favoravelmente as reivindicações justas dos trabalhadores, que é o cumprimento da convenção coletiva, relacionadas as remunerações.

Dia 12 de junho, próxima sexta feira, é o prazo que a Rádio e TV Cultura dê uma solução à situação que os trabalhadores estão vivendo. Qualquer que seja a proposta a ser apresentada pela empresa, novas assembleias estão asseguradas nesta data, para que todos os trabalhadores possam se posicionar. 

Uma coisa é certa, os radialistas da Rádio e TV Cultura conhecem a receita de como lutar e defender seus direitos, devido a sua história combativa em defesa do emprego e das conquistas que a categoria conquistou.

Radialistas decretam greve em meio a Campanha Salarial

Trabalhadores em greve em frente à Rádio Cumbica, em Guarulhos


Por Ronaldo Werneck

Como anunciado em nosso blog, os trabalhadores cansados da pouca vergonha da direção da empresa, em não cumprir suas obrigações trabalhistas, decretaram greve no último sábado. Em plena campanha salarial. Taí uma coisa a ser pensada pelo sindicato dos patrões, já que são duros nas negociações, mas basta os trabalhadores se mobilizarem, amolecem como maria mole. Recado pra categoria.

No último sábado (06/07), na Rádio Cumbica, os trabalhadores e dirigentes sindicais do Sindicato dos Radialistas, aguardavam a presença do patrão, que sempre vai na emissora pra recolher o dinheiro de trabalhadores, que são obrigados a vender propaganda para arrendar o horário na emissora, mas ele não compareceu. Antes disso, porém, havia batido o desespero nele. Com ligações telefônicas para os trabalhadores na emissora, para tentar dissuadi-los, a não entrarem em greve e para o Sindicato, para tentar uma saída, que não fosse a paralisação da emissora. Não conseguiu convencer. Os termos estavam aquém daquilo que os trabalhadores esperam; o cumprimento incondicional da Convenção Coletiva de Trabalho e da Lei dos Radialistas. A única coisa negociável ali é a forma de pagamento dos "atrasados"; Tickets refeição, salários de outros contratos, PR, diferenças salariais, etc. Mas enquanto o patrão não se der conta de que, pra ter renda na emissora, precisa dos trabalhadores, o impasse continua. Com total apoio do Sindicato dos Radialistas.

Nesta segunda feira a mobilização continua. Agora, com releases para a mídia especializada e redes sociais, para que todos saibam que a receita para enfrentar a intransigência dos patrões é a greve. E  a presença do Sindicato dos Radialistas na porta da emissora, junto com os trabalhadores. Medidas jurídicas como Ação de Cumprimento no Ministério Público e comunicado ao Ministério do Trabalho e Emprego, da situação de irregularidades na emissora, já foram tomadas. 

Pra sair dessa situação, o patrão sem escrúpulo de tanta safadeza, tem de sentar pra conversar com os radialistas da Rádio Cumbica, através do Sindicato e chegar a um termo, que satisfaça quem produz os recursos que o patrão está acostumado a expropriar.

Breve, mais notícias do andamento da mobilização dos Radialistas de Guarulhos. Especificamente da Rádio Cumbica 1500, que estão dando uma aula pedagógica de como fazer o patrão tomar vergonha na cara e os trabalhadores a se mobilizarem contra injustiças a que são cometidos.

terça-feira, 2 de junho de 2015

Radialistas da Rádio Cumbica, em Guarulhos, perdem a paciência e decretam estado de greve


Estúdios Rádio Cumbica AM, de Guarulhos - SP


Por Ronaldo Werneck

Foi-se o tempo onde o patrão podia tudo e o trabalhador não podia nada. Em Guarulhos, os radialistas da emissora Rádio Cumbica AM 1500 KHZ disseram um basta à uma série de irregularidades praticadas pela empresa.

A Rádio Cumbica 1500 não vem cumprindo a convenção coletiva  de trabalho da categoria em mais de 18 cláusulas. Vai desde o não pagamento do piso salarial da categoria, dos tickets restaurante, do vale transporte e da participação nos resultados até à falta de registro em carteira de trabalho.

Se não bastasse o que descrevemos, o não cumprimento da Lei do Radialista também é uma realidade na emissora. Trabalhadores com acúmulos de funções, sem duplo contrato de trabalho e sem o Registro Profissional, são exemplos de como a direção da emissora faz descaso com a legislação da categoria.

Por essas e tantas outras situações, os companheiros de Guarulhos perderam a paciência. Em assembleia nesta terça feira (02), na parte da manhã, junto com dirigentes do Sindicato dos Radialistas de SP, os trabalhadores da Rádio Cumbica decretaram estado de greve

A direção da empresa foi comunicada formalmente sobre o fato. Feito isso, tanto os radialistas da Rádio Cumbica 1500, bem como a direção do Sindicato dos Radialistas, aguardam posicionamento da emissora para que as irregularidades sejam sanadas. Se não acontecer isso, em observação a legislação, após 48 horas, os trabalhadores estarão cruzando os braços, a qualquer momento, para que a situação seja resolvida. 


Obs; Os companheiros radialistas da Rádio Cumbica 1500 estão fazendo o que toda a categoria deveria estar fazendo neste momento; dando um basta a intransigência dos patrões, por não respeitar quem verdadeiramente trabalha e produz a riqueza, que enche seus bolsos e remunera os trabalhadores. O Sindicato patronal não apresentou contra proposta que atenda os interesses da categoria. Os companheiros radialistas precisam entender que, os patrões só entendem a linguagem do bolso. Sim, aquele em que o dinheiro não entra, se os trabalhadores não trabalharem. 

Somente nós é que podemos resolver a situação de impasse, que tem surgido nas negociações com o patronal nesta campanha salarial.