quarta-feira, 29 de maio de 2013

Negociações com o patronal prosseguem no mês de junho



Por Ronaldo Werneck

Devido a expectativa em torno do resultado do dissídio, bem como da última assembleia, diversos companheiros tem se manifestado que o sindicato informe as decisões, que diga-se de passagem, ainda não são definitivas. Após decisão do TRT e a deliberação da assembleia do último sábado (25), os representantes do sindicato dos radialistas encaminharam as propostas apresentadas que, parte delas,  constam em nosso boletim disponível em nosso site.

Para saber a íntegra das propostas que foram apresentadas, basta clicar aqui.

Nada ainda está definido, pois está sobre a mesa aquilo que foi aprovado pela categoria em nossa assembleia, bem como parte do que o TRT decidiu. Não adianta informarmos pela metade algo que pode ser modificado e gerar mais confusão. Podemos dizer se as negociações estão avançando. E, no momento estão. A reunião de ontem (29) transcorreu normalmente. O patronal recebeu as reivindicações e que serão apreciadas por eles, para só então nos darem uma resposta.

Ler com atenção é requisito mínimo em tempos como este. Desde o início estamos informando que estamos em negociação. As informações da pauta de reivindicações estiveram sempre em nosso site. E o resultado do dissídio, como dissemos antes, faz parte do todo na negociação.

Todas as terças feiras (04, 11, 18 e 25) de junho, estarão sendo usadas para as rodadas de negociação com o patronal. Até lá estamos mobilizando os trabalhadores para mostrarem o mesmo tipo de insatisfação de alguns, que queriam de imediato informações incompletas. São os patrões os responsáveis por estarmos sem a reposição que a justiça decidiu em 5,5%. Simplesmente tivemos de usar a Justiça para garantirmos o que nos é de direito. Portanto companheirada mais mobilização no local de trabalho.

Os diretores da entidade estarão distribuindo boletins para informar a categoria e tirar dúvidas daqueles que ainda não entenderam o processo de negociação, que é uma luta. Não é apenas conversa numa sala fechada. A direção da entidade sentada de um lado da mesa, os representantes do patronal de outra e os trabalhadores, caso estejam mobilizados servem para virar a mesa. Isso se as nossas reivindicações não sejam atendidas. Sem isso companheirada, não avançamos. Não dá só pra  ficar esperando, esperando, esperando... e depois lamentar o que nos oferecem. Pois só a negociação com o patronal, não sensibiliza o seu bolso. Apenas nossa insatisfação transformada em ação.

segunda-feira, 27 de maio de 2013

Radialistas recusam proposta patronal e aprovam contra proposta



No último sábado (25), a categoria presente em nossa sede, repudiou a proposta patronal, pois era muito oportunista. Como todos os anos, tentam engambelar-nos apresentando perdas econômicas e políticas como vantagens. Dentre elas, depois de um ano tramitando na justiça, queriam somar os 5,5%, que apresentaram tardiamente, ao índice deste ano, que beira os 7%. Perfazendo então um total de 12,5% de reajuste desde maio do ano passado. Os companheiros presentes na assembleia rejeitaram essa proposta e apresentaram uma outra de 14%, já que, historicamente, o patronal sempre utiliza-se de um índice que é menor entre os institutos de pesquisas, mas que nesse ano foi maior. Além de um percentual de aumento real. 


Outra situação foi a decisão do TRT. Lembram-se que o índice julgado foi de 5,5%?! Pois bem, teve mais coisas, dentre elas o Tribunal decidiu acabar com a compensação de horas extras e as empresas devem fornecer de vales refeição para todos que trabalham em empresas de radiodifusão e televisão no estado de São Paulo. O abono ou PLR foi mantido. Agora vem as dúvidas; quando irão pagar tudo isso? Já que estamos falando do retroativo e também do abono (PLR). Vejam companheiros, por conta do julgamento do TRT, na qual decidiu pelo benefício do vale refeição para toda categoria, esse benefício pode durar apenas um ano. Ou seja, este ano já não teríamos. Portanto a diretoria está empenhada em negociar para que este benefício seja incorporado em nossa convenção, para que se torne permanente para toda a categoria. A decisão do TRT bem como o processo de negociação de nossa convenção coletiva deste ano, estão sendo usados para que possamos avançar em nossas conquistas. Um pouco mais de paciência e persistência poderemos avançar mais. Tenho dito aos companheiros que não esperem coisa imediata. A folha de pagamento já está sendo feita nas empresas. Coisas imediatas em questões salariais e de benefícios para os trabalhadores só se consegue com greve. Isso sim, faz as coisas acontecerem rapidamente. Inclusive o jultamento do TRT. Demorou tanto porque não tivemos uma greve se quer nas emissoras. Os radialistas de São Paulo preferiram esperar as coisas serem decididas por terceiros. Se muitos companheiros conseguiram ficar até agora esperando a decisão da justiça, certamente podem esperar o resultado das negociações com o patronal que devem acontecer nesta terça feira (28). 



Uma outra coisa que gostaria de citar é o fato de nossa assembleia estar cheia. Todos queriam saber do aumento, mas tivemos notícias de pressão por parte de algumas empresas contra seus trabalhadores, para que os mesmos viessem na assembleia e aprovassem o que os patrões haviam proposto. Caíram das pernas, a companheirada estava consciente do que estava em jogo e rejeitou não só a proposta ridícula do patronal bem como essa manobra rasteira dos patrões. 



Companheiros do interior e da capital, que estavam ausentes em outras assembleias, apareceram. Deram uma importante lição para aqueles que preferiram ficar em casa e só querem saberem do resultado pelo site ou por telefone. Esses companheiros tem de comparecer nas assembleias e discutir em nossa sede, interesses que são nossos e não dos patrões. Parabéns quem compareceu. Voltaram pra casa esclarecidos e motivados a seguirem em nossa luta. Para aqueles que não puderam comparecer por motivos diversos, o sindicato está preparando um informativo mais completo, não só com o resultado do TRT, mas também com o resultado das negociações que devem acontecer em breve.




Juntos somos fortes companheiros. Não é uma frase de efeito. É uma realidade. A presença maciça dos companheiros na assembleia certamente refletirá nas negociações de amanhã. Essa organização também deve-se dar no ambiente de trabalho. Trabalhador organizado e consciente de sua classe, luta. Não espera as coisas acontecerem.

Veja mais fotos em nossa Galeria de fotos.



sexta-feira, 17 de maio de 2013

Denúncias do não pagamento do abono salarial no interior

Por Ronaldo Werneck

O Sindicato dos Radialistas vem recebendo denúncias de que algumas empresas no interior do Estado se recusaram a fazer o pagamento do abono salarial. As desculpas são as mais esfarrapadas, como sempre. Dizem que não sabiam, que não receberam nenhuma comunicação do sindicato patronal ou ainda que o acordo coletivo ainda não foi assinado. Nem uma coisa nem outra.

Decisão esperada do Dissídio 2012



Por Ronaldo Werneck

Vejo com preocupação as manifestações dos companheiros em nosso noticiador. Nele, onde a matéria é sobre a decisão judicial, que deve sair no dia 22, diversos trabalhadores "rogam aos céus", creditam em suas divindades, algo que infelizmente depende de terceiros para atingir nossos objetivos. Como se apenas isso fosse suficiente para termos aquilo que nos é de direito, mas nos é negado.

Vamos então partir para o campo "e se...". E se a decisão não for favorável a nós?! Vamos apenas nos lamuriar porque a juíza não entendeu nossas necessidades e anseios? E se o patronal recorrer? Vamos continuar alimentando essa nossa esperança maldita, que nos deixa inertes e não nos mobilizamos para conquistar oq nos é devido?

 No passado nossos colegas lutaram heroicamente a ponto de garantir, as gerações futuras, o que estamos gozando (lei do Radialista, diversas cláusulas da convenção coletiva acima da CLT, etc.). Foram diversas conquistas em nossa convenção coletiva. Elas foram frutos de muita luta como greves, paralisações,  protestos e organização frente ao nosso patronal sempre insensível.

Companheirada, isso já foi dito e voltamos a repetir, pra conseguirmos o que queremos, temos de nos mobilizar. Se essa decisão judicial for insuficiente, para aquilo que esperamos tanto, está na hora de revermos esse posicionamento de esperar as coisas acontecerem. Vai ficar valendo o refrão daquela música do Geraldo Vandre (Pra não dizer que não falei das flores); "Vem vamos embora, que esperar não é saber. Quem sabe faz a hora, não espera acontecer".

O julgamento irá acontecer no dia 22/05/2013 (quarta feira), a partir das 13h30, no TRT SP Segunda Região. Que fica na Rua Consolação n. 1272, na Capital Paulista. É aberto para quem quiser assistir.